terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

24 Horas Depois

A sentença pelo pecado tinha sido dada. Aliás, Deus deixara bem claro que se o homem e a mulher comessem do fruto da árvore que estava no meio do jardim, certamente morreriam (Gn. 3.3).
As próximas cenas creio que você já conheça. A mulher, sem a companhia do homem, é enganada pela serpente e come do fruto, leva para seu marido que também come. Os olhos deles se abrem, percebem que estão nus e se cobrem com folhas de figueira.
Problema resolvido! Não estamos mais nus e afinal não morremos! Talvez estas tenham sido as palavras de Adão e Eva.
Mas Deus, como de costume, tinha um encontro pessoal com o homem na viração do dia. E tenho certeza que Deus priorizava esse encontro marcando em vermelho na sua agenda celestial. Criatura e seu Criador, conversando, passeando, tendo um momento de intimidade num fim de tarde no Éden. Ah! Como Deus gostava disto! Ver aquele a quem criara imagem e semelhança e poder ter um relacionamento pessoal com ele.
Mas aquele dia foi diferente. Ao chegar ao Éden, Deus não encontra seu amigo que deveria estar o esperando ansioso para um bom papo.
Não demorou muito e tudo veio à tona, o pecado entrara no mundo, a terra tinha sido feita maldita, o homem trabalharia para se sustentar, a mulher com dores teria filhos e a serpente rastejaria e comeria pó, pois se tornara maldita.
Deus num ato de amor incondicional ainda faz vestimentas de peles para ambos, e depois o momento mais difícil: a expulsão do Jardim do Éden!
A Bíblia nos relata esses fatos no capitulo três de Gênesis do versículo um ao vinte e quatro. Logo após é narrada a história do homem fora do Jardim do Éden começando com Abel e Caim.
Mas nesta reflexão eu gostaria de viajar um pouco nos pensamentos e imaginar um acontecimento que não foi descrito na Bíblia, espero que você me acompanhe nesta viagem e é claro, entenda que daqui para frente não se trata de fatos Bíblicos, mas apenas de pensamentos de quem vos escreve.
“O homem havia sido expulso do Éden, a árvore da vida estava guardada por anjos. Deus volta para o seu trono de glória.
Vinte quatro horas se passam desde aqueles fatos, Deus onisciente estava vendo como estava o homem e a mulher fora do jardim e á mercê do pecado.
Até que aquele bendito horário reservado para ter comunhão com o homem chega, Deus olha sua agenda celestial e vê escrito: horário da comunhão com meu amigo Adão.
Deus vem ao Éden, vê a obra de sua criação, as árvores, os pássaros, os rios, mas o principal não estava lá. O coração de Deus sente um aperto, o jardim está vazio, a comunhão foi perdida, aqueles momentos maravilhosos ao entardecer não faziam mais parte do cotidiano, o homem não estava mais lá.
Deus sente saudade,o homem que criara com tanto amor e com tanto envolvimento, dando de si mesmo para formá-lo não estava mais lá, aquele tempo precioso entre criatura e Criador eram reais agora apenas na lembrança.
“Com o coração cheio de amor e de saudade, Deus fará tudo o que for possível para redimir o homem e voltar a ter comunhão com ele, neste momento seu único filho, Jesus, bate em seu ombro e diz: Eu vou buscá-lo”.
Não posso afirmar que foi exatamente assim que aconteceram os fatos, que Deus passeou pelo jardim vazio, que talvez tenha chorado e aquela mesma pergunta de 24 horas atrás ainda ecoava em seu coração: “Adão, onde estás?”.
Mas com certeza Deus sentiu a falta do homem que criara com tanto amor e se dispôs a salva-lo a qualquer preço, e Ele assim fez.
Como eu sei disso? A parábola do filho pródigo descrita em Lucas 15-11-32 nos mostra um pai que aguardava ansiosamente o retorno de seu filho, e se alegra quando esse filho se arrepende e volta pra casa. O autor desta parábola pouco tempo depois de contá-la entregou a sua vida numa cruz para que toda a humanidade fosse redimida e voltasse àquela mesma comunhão do jardim do Éden, este autor foi o mesmo que disse a Deus: Eu vou buscá-lo. Agora, tudo estava consumado.
Quer voltar a comunhão do jardim? Deus não te manda um e-mail celestial com um convite em anexo, ele envia o Espírito Santo pessoalmente ao teu coração te convidando ao arrependimento dos pecados, ele te entregará um envelope com uma passagem de volta casa paga pelo próprio Jesus e um recado amoroso do próprio Deus dizendo: “Estou te esperando!”.


Autor: Call Moreira
Correções: Elaine Massuco

Um comentário:

Paulo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.